DOCUMENTOS

Comitê de Profissionais Gaúchos das Áreas de Educação Superior, Cultura, Pesquisa, Comunicação, Direito e Ações Comunitárias em Defesa da Democracia

CARTA DE PRINCÍPIOS

No Manifesto em Defesa da Democracia e do Estado Democrático de Direito, expressamos nossa preocupação com o grave e iminente risco de ruptura institucional no Brasil, que coloca em xeque o funcionamento das instituições e o respeito à própria Constituição, e reafirmamos nossa defesa intransigente da democracia.

Por considerarmos que:

  1. este risco continua;

  2. quando for superado, será preciso consolidar a democracia no país e encaminhar as importantes mudanças
    necessárias para o enfrentamento da crise econômica e a retomada do
    desenvolvimento com inclusão social e a defesa da soberania nacional;

  3. o encaminhamento dessas mudanças só poderá ser realizado com o apoio de um amplo bloco de forças sociais e políticas com elas comprometidas; decidimos criar um comitê que se constitua em espaço propositivo e regular de informação, reflexão, debates e manifestações.

 

Esse comitê está organizado em torno dos seguintes princípios:

  1. constituir-se em espaço de debates plural, suprapartidário, buscando a participação de pessoas com diferentes visões ideológicas e políticas, reunidas para defender a democracia e as grandes mudanças sociais acima indicadas no item b);

  2. constituir-se como uma estrutura horizontal, voltada para a reunião e mobilização de pessoas interessadas no conhecimento mais aprofundado da conjuntura política e na defesa de grandes bandeiras sociais, sem o estabelecimento de estruturas burocráticas e a vinculação a organizações preexistentes;

  3. contar, para a organização de painéis, debates e manifestações, com um grupo executivo, que se comunicará com os demais através de meios eletrônicos e organizará esses eventos a partir das indicações do coletivo.

 

Nesse sentido, o comitê pretende realizar encontros mensais com atividade previamente organizada e divulgada.

Neste momento de crise não apenas institucional, mas também de formas tradicionais de organização, acreditamos que a participação do maior número possível de pessoas em atividades voltadas para a consolidação da democracia no país depende de nossa capacidade de nos unirmos por nossas semelhanças e sabermos discordar e debater nossas diferenças de forma respeitosa, em torno de práticas realmente participativas e democráticas que fortaleçam o debate público e o espírito de solidariedade.

Reunidos na luta pela democracia, reafirmamos nossos princípios de tolerância, de direito à liberdade de expressão das diferenças e de acatamento às decisões de maioria.  

 

Porto Alegre, 04 de Abril de 2016

Salão de Atos 2 da Reitoria da UFRGS